Proyectos de vida de adolescentes en medida socioeducativa de internamiento

  • Vinicius Coscioni Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil
  • Mauricio Pinto Marques Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil
  • Edinete Maria Rosa Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo. Brasil
  • Sílvia Helena Koller Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil
Palabras clave: proyectos de vida, adolescentes en conflicto con la ley, medidas socioeducativas, privación de libertad, comportamiento antisocial

Resumen

El objetivo de esta investigación es caracterizar proyectos de vida de adolescentes privados de libertad debido a la comisión de actos de infracción. Un estudio de múltiples casos se realizó con cuatro grupos focales. Participaron del estudio 25 adolescentes, entre 15 y 19 años, internos en unidades socioeducativas en las regiones metropolitanas de Espírito Santo y Rio Grande do Sul, Brasil. Los datos fueron tratados a partir del análisis temático, utilizando procedimientos sistemáticos para la diferenciación de los casos. Se verificaron dos formas de los participantes de concebir el futuro: 1) a partir de proyectos de vida vinculados a la criminalidad, incluyendo un sentido de acción claro para el futuro; y 2) a partir de aspiraciones de futuro relacionadas con educación, familia y trabajo, pero sin un sentido de acción a través del cual se intentaba lograr tales aspiraciones. Los resultados sugieren que el sistema socioeducativo es infectivo en la promoción de proyectos de vida saludables.

Citas

Aranzedo, A. C., & Souza, L. D. (2007). Adolescentes autores de homicídio: vivência da privação de liberdade e planos para o futuro. Revista electrónica de psicologia política, 5(15).
Brasil, Conselho Nacional dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes. (2006). Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Recuperado em 25 de Outubro, 2017, de http://www.conselhodacrianca.al.gov.br/sala-de-imprensa/publicacoes/sinase.pdf.
Brasil, Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Recuperado em 25 de Outubro, 2017, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.
Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Pshychology, 3, 77-101. doi:10.1191/1478088706qp063oa.
Bronfenbrenner, U. & Morris, P. A. (1998). The bioecological model of human development. In W. Damon (Series Org.) & R. M. Lerner (Vol. Org.), Handbook of child psychology: Theoretical models of human development (pp. 793-828). New York: John Wiley & Sons.
Coscioni, V. (2017). Systematization of recording in field diary: a case of a research in Brazilian juvenile detention centers. In Dell’Aglio, D. D, & Koller, S. H., Vulnerable children and youth in Brazil (pp. 261-274). New York: Springer.
Coscioni, V., Costa, L. L. A., Rosa, E. M., & Koller, S. H. (2017). O cumprimento da medida socioeducativa de internação no Brasil: uma revisão sistemática da literatura. Psico, 48(3), 231-242. http://dx.doi.org/10.15448//1980-8623.2017.3.24920
Coscioni, V., Rosa, E. M., Dias, A. C. G., & Koller, S. H., (2017). Autonomia e voluntariedade na pesquisa com adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de internação. Revista da SPAGESP, 18(2), 74-85.
Coscioni, V., Rosa, E. M., Koller, S. H., & Dell’Aglio, D. D. (submetido). Projetos de vida no contexto de execução de medidas socioeducativas: uma revisão da literatura. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia.
Dellazzana-Zanon, L. L., & de Lucca Freitas, L. B. (2016). Uma revisão de literatura sobre a definição de projeto de vida na adolescência. Interação em Psicologia, 19(2). doi: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v19i2.35218
Gomes, I. D. (2014). “A gente vive de sonho”: sentidos de futuro para adolescentes privados de liberdade. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Centro de Humanidades, U. Federal do Ceará, Fortaleza, CE.
Gomes, C. C., & Conceição, M. I. G. (2014). Sentidos da trajetória de vida para adolescentes em medida de liberdade assistida. Psicologia em Estudo, 19(1), 47-58. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-7372210860005
Jesus, N. F. (2015).O adolescente em conflito com a lei: o envolvimento com o crime ancorado na emoção. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade,6: 87-122.
Koerich, B. R. (2016). Entre trajetórias, desejos e (im)possibilidades: projetos de futuro em jovens da socioeducação de meio aberto. Revista Contraponto, 3(2).
Marcelino, M. Q. S., Catão, M. F. F. M., & Lima, C. M. P. (2009). Representações sociais do projeto de vida entre adolescentes no ensino médio. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(3), 544-557.
Muller, F., Barboza, P. D. S., Oliveira, C. C. D., Santos, R. R. G. D., & Paludo, S. D. S. (2009). Perspectivas de adolescentes em conflito com a lei sobre o delito, a medida de internação e as expectativas futuras. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 1(1), 70-87. doi: http://dx.doi.org/10.15448//1980-8623.2017.3.24920
Rolim, M. (2014). A formação de jovens violentos: para uma etiologia da disposicionalidade violenta. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Rosário, A. B. D. (2004). O mundo do crime: possibilidade de intervenção a adolescentes em conflito com a lei. Mental, 2(2), 101-113.
Silva, L. F. (2014). Crime, ostentação e afetividade: um estudo psicossocial sobre o adolescente em conflito com a lei. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.
Silva, V. M. (2016). Mortalidade dos egressos da FASE-RS: 2002-2012. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Silveira, K. S. S., Machado, J. C., Zappe, J. G., & Dias, A. C. G. (2015). Projetos futuros de adolescentes privados de liberdade: implicações para o processo socioeducativo. Psicologia: Teoria e Prática, 17(2), 52-63. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e3337
Stake, R. E. (2006). Multiple Case Study Analysis. New York: Guilford Press.
Toledo, B. A. S. (2009). Alargando as margens: um estudo sobre processos de resiliência em adolecentes em conflito com a lei. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES.
Weller, W. (2006). Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes. Educação e Pesquisa, 32(2), 241-260.
Publicado
2018-05-09
Sección
ARTÍCULOS ORIGINALES