Resiliencia individual y familiar y el papel de las redes de apoyo a víctimas de accidentes de tránsito: una revisión integradora

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.22235/cp.v15i2.2111

Palabras clave:

resiliencia, resiliencia familiar, accidentes de tránsito, redes de apoyo , revisión integradora

Resumen

Este estudio tiene como objetivo presentar una revisión de literatura integradora para analizar el estado del arte de la investigación publicada sobre procesos de resiliencia individual/familiar y redes de apoyo para víctimas de accidentes de tránsito en la situación posterior al accidente. Las bases utilizadas fueron PsycInfo, PubMed, Web Of Science y SciELO con los descriptores: resiliencia; accidentes de tráfico; redes de apoyo y resiliencia familiar. Se encontraron 12 artículos como resultado del análisis completo de esta revisión. Los hallazgos mostraron una escasez de estudios que se relacionan simultáneamente: resiliencia, accidentes de tránsito, redes de apoyo y resiliencia familiar. Además, gran parte de la investigación sobre accidentes de tráfico se centra en la prevención. Teniendo en cuenta las limitaciones encontradas, se sugiere realizar más investigaciones en contextos posteriores al accidente para permitir el desarrollo de políticas públicas destinadas a mejorar la calidad de vida de esta población.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Maria Angela Mattar Yunes, Universidade Salgado de Oliveira, UNIVERSO

Possui graduação em Psicologia pelo Instituto Unificado Paulista (1977), mestrado em Psicologia do Desenvolvimento pela University of Dundee, Escócia (1991) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001). É professora permanente na Universidade Salgado de Oliveira, UNIVERSO, Niterói, RJ e colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle, CANOAS, RS. Fundou o Centro de Estudos Psicológicos sobre Meninos e Meninas de Rua - CEP-RUA da FURG e o Núcleo de Estudos e Atenção às Famílias - NEAF/FURG. Atualmente coordena o Centro de Referência e Atenção às Famílias e Profissionais Sociais- CRAFPS do Universo em parceria com o CRAF/FURG. Membro do Comitê Assessor (Educação e Psicologia) da Fundação de Apoio à Pesquisa do Rio Grande do Sul/FAPERGS do qual foi coordenadora até agosto/2011. Consultora de periódicos nacionais e internacionais. Editora Assistente da Revista Educação, Ciência e Cultura. Tem experiência em pesquisas e intervenções na área de Psicologia, com ênfase na Educação e Desenvolvimento Psicológico de Populações em Situação de Risco na perspectiva da Abordagem Bioecológica de Desenvolvimento Humano e Psicologia Positiva, atuando principalmente nos seguintes temas: resiliência familiar e parental, bioecologia do desenvolvimento, programas de apoio e educação de/para famílias, direitos de crianças, adolescentes e famílias em situações de risco e formação de agentes sociais.

Leonardo Fernandes Martins, Universidade Salgado de Oliveira

Doutor em Psicologia pela UFJF com bolsa Sandwich/CAPES para estágio de pesquisa no exterior na University of Kansas Medical Center, cursando disciplinas no KU Quantitative Psychology Program. Seu projeto de doutorado teve como tema o desenvolvimento de uma ferramenta Open Source de E-health para Avaliação Uso Abusivo de Álcool e sua prevenção (financiado pela FAPEMIG, e PROCAD/UFJF/UNIFESP/CNPq). Foi integrante do projeto multicêntrico E-health Project da Organização Mundial de Saúde (OMS) em parceria com a Universidade Federal de São Paulo, Universidade Federal do Paraná e Universidade Federal de Juiz de Fora. É Mestre em Psicologia pela UFJF com ênfase em processos psicossociais em saúde e avaliação de condições de trabalho e adoecimento de profissionais da Atenção Primária à Saúde. Cursou a especialização em métodos estatísticos computacionais pelo Instituto de Ciências Exatas da UFJF. Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Tem experiência nas áreas de Psicometria, Avaliação Psicológica, Métodos de Pesquisa Quantitativos, Estatística Aplicada e uso de ferramentas Open Source com aplicações na área de Saúde no Trabalho, Políticas de Saúde, Avaliação Quantitativa de Redes de Serviços utilizando Análise de Redes Sociais. Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universo (curso de Doutorado) lecionando as disciplinas de Métodos Quantitativos Avançados I e II com ênfase na modelagem de variáveis latentes em contextos aplicados à Pesquisa em Psicologia e Psicometria. É membro do Centro de Referência em Pesquisa, Intervenção e Avaliação em Álcool e Drogas-CREPEIA e da Rede Latino Americana de Pesquisa sobre Estigma e Drogas. Possui experiência na gestão de projetos de pesquisa e extensão envolvendo Ministério da Saúde DECIT, Ministério da Justiça SENAD e outras agências de fomento,. Foi coordenador de curso e professor titular I do curso de Psicologia do Centro Universitário Estácio de Sá de Juiz de Fora, sendo também membro do Núcleo de Desenvolvimento Estruturante, supervisor de estágio em clínica e orientador de projetos de iniciação científica. Tem importante experiência como consultor em Psicometria e Modelagem Estatísticas, com ênfase em Mplus e linguagens Open Source como R, Python e Julia. Membro da Association for Contextual Behavioral Science (ACBS) e membro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia - ANPEPP. Sócio diretor da social.com.ai para soluções baseadas em dados e uso de aprendizagem de máquina.

Citas

Alves, L. M. (2017). Estresse e coping em vítimas de acidente de trânsito. Dissertação, Universidade Federal de Uberlandia, Uberlândia. Retrieved from: http://www.pgpsi.ip.ufu.br/node/514

Amparo, D. M. d., Galvão, A. C. T., Alves, P. B., Brasil, K. C. T. R., & Koller, S. H. (2008). Adolescentes e jovens em situação de risco psicossocial: redes de apoio social e fatores pessoais de proteção. Estudos de psicologia (Natal), 13(2), 165-174. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2008000200009

Barajas, M. S., & Schechinger, H. (2018). Children and youth: Resilience after motor vehicle accidents. International Journal of Child and Adolescent Health, 11(2), 235.

Bonanno, G. A. (2004). Loss, trauma, and human resilience: Have we underestimated the human capacity to thrive after extremely aversive events? American Psychologist, 59(1), 20-28. https://doi.org/10.1037/1942-9681.S.1.101

Cavalcante, F. G., Morita, P. A., & Haddad, S. R. (2009). Sequelas invisíveis dos acidentes de trânsito: o transtorno de estresse pós-traumático como problema de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 1763-1772. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000500017

Chouinard, J., Melançon, G. G., & Mandeville, L. (2012). Le Fil d'Ariane: un outil favorisant la résilience en réadaptation. Les Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, 93(1), 135-157. https://doi.org/10.3917/cips.093.0135

Chu, W., Wu, C., Atombo, C., Zhang, H., & Özkan, T. (2019). Traffic climate, driver behaviour, and accidents involvement in China. Accident Analysis & Prevention, 122, 119-126. https://doi.org/10.1016/j.aap.2018.09.007

Connor, K. M., & Davidson, J. R. (2003). Development of a new resilience scale: The Connor‐Davidson resilience scale (CD‐RISC). Depression and anxiety, 18(2), 76-82. https://doi.org/10.1002/da.10113

Costa, R. N. V., & Araújo, J. C. O. (2019). Uma análise da relação da utilização do seguro obrigatório DPVAT com o aumento da frota de veículos nacional/An analysis of the relationship of the use of compulsory DPVAT insurance to the increase of the national vehicle fleet. Brazilian Journal of Development, 5(9), 15599-15611. https://doi.org/10.34117/bjdv5n9-137

Daly, K. J. (1999). Crisis of genealogy: Facing the challenges of infertility. In H. I. McCubbin, E. A. Thompson, A. I. Thompson, & J. A. Futrell (Eds.), The dynamics of resilient families (pp. 1-40). Thousand Oaks, CA: Sage.

Doohan, I., Gyllencreutz, L., Björnstig, U., & Saveman, B. I. (2018). Survivors’ experiences of consequences and recovery five years after a major bus crash. Scandinavian journal of caring sciences, 32(3), 1179-1187. https://doi.org/10.1111/scs.12563

Grant, G. M., O'Donnell, M. L., Spittal, M. J., Creamer, M., & Studdert, D. M. (2014). Relationship Between Stressfulness of Claiming for Injury Compensation and Long-term Recovery. Jama Psychiatry, 71(4), 446-453. https://doi.org/10.1001/jamapsychiatry.2013.4023

Guest, R., Tran, Y., Gopinath, B., Cameron, I. D., & Craig, A. (2016a). Psychological distress following a motor vehicle crash: a systematic review of preventative interventions. Injury, 47(11), 2415-2423. https://doi.org/10.1016/j.injury.2016.09.006

Guest, R., Tran, Y., Gopinath, B., Cameron, I. D., & Craig, A. (2016b). Prevention of the development of psychological distress following a motor vehicle crash: study protocol for a randomized controlled trial. Trials, 17(1), n. 317. https://doi.org/10.1186/s13063-016-1455-5

Juliano, M. C. C., & Yunes, M. A. M. (2014). Reflexões sobre rede de apoio social como mecanismo de proteção e promoção de resiliencia. Ambiente & Sociedade, 17(3). https://doi.org/10.1590/S1414-753X2014000300009

Masten, A. S. (2014). Ordinary Magic: Resilience in Development. New York, NY: The Guilford Press.

Migliorini, C., Callaway, L., Moore, S., & Simpson, G. K. (2019). Family and TBI: An investigation using the Family Outcome Measure – FOM-40. Brain Injury, 33(3), 282-290. https://doi.org/https://doi.org/10.1080/02699052.2018.1553307

Moraes, T. D., Cunha, K. R., & de Andrade, A. L. (2019). Percepção de caminhoneiros sobre fatores associados à ocorrência de acidentes de trabalho. Revista de Psicología, 28(1), 1-14. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.5354/0719-0581.2019.53953

Pacico, J. C., & Bastianello, M. R. (2014). As origens da psicologia positiva e os primeiros estudos brasileiros. In C. S. Hutz (Ed.), Avaliação em Psicologia Positiva (pp. 13-21). Porto Alegre, Brazil: Editora Artmed.

Peed, S. L. (2010). The lived experience of resilience for victims of traumatic vehicular accidents: A phenomenological study. Dissertation, Capella University, Minneapolis. Retrieved from: https://core.ac.uk/download/pdf/10910896.pdf

Queiroz, A. A. F. L. N., de Morais, E. R., da Silva, R. A. F., Guimaraes, M. d. S. O., de Oliveira, L. B., & Magalhães, R. d. L. B. (2016). Vivências de vítimas de amputação por acidentes. Revista de enfermagem UFPE on line, 10(2), 708-713. https://doi.org/10.5205/reuol.6884-59404-2-SM-1.1002sup201602

Reppold, C. T., Mayer, J. C., Almeida, L. S., & Hutz, C. S. (2012). Avaliação da resiliência: controvérsia em torno do uso das escalas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(2), 248-255. https://doi.org/10.1590/S0102-79722012000200006

Rocha, L. M. B. M., Ferreira, A. M. V., & Vieira, M. d. L. F. (2018). O uso da nomenclatura finalizadora de indexação de resumos dos trabalhos acadêmicos de conclusão de curso de um mestrado profissional em ensino na saúde: palavras-chave, descritores, terminologias de entrada. Gep News, 1(1), 231-262.

Rodrigo, M. J. (2010). La resiliencia parental en situaciones de riesgo psicosocial: implicaciones para el trabajo professional. In A. Almeida & N. Fernandes (Eds.), Intervenção com crianças, jovens e famílias (pp. 185-205). Coimbra, Portugal: Almedina.

Rosenbloom, T., & Perlman, A. (2016). Personal resilience, discipline and safety of military drivers. Transportation Research Part F-Traffic Psychology and Behaviour, 41, 66-73. https://doi.org/10.1016/j.trf.2016.04.003

Rutter, M. (2012). Resilience as a dynamic concept. Development and Psychopathology, 24, 335-344. https://doi.org/10.1017/S0954579412000028

Seligman, M. E. P., & Csikszentmihalyi, M. (2000). Positive psychology: An introduction. American Psychologist, 55(1), 5-14. https://doi.org/10.1037/0003-066X.55.1.5

Skogstad, L., Toien, K., Hem, E., Ranhoff, A. H., Sandvik, L., & Ekeberg, O. (2014). Psychological distress after physical injury: A one-year follow-up study of conscious hospitalised patients. Injury-International Journal of the Care of the Injured, 45(1), 289-298. https://doi.org/10.1016/j.injury.2012.10.001

Sommer, M., Herle, M., Hausler, J., Risser, R., Schutzhofer, B., & Chaloupka, C. (2008). Cognitive and personality determinants of fitness to drive. Transportation Research Part F-Traffic Psychology and Behaviour, 11(5), 362-375. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.trf.2008.03.001

Souza, M. T., da Silva, M. D., & de Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8(1), 102-106. https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Squassoni, C. E., & Simões Matsukura, T. (2014). Adaptação transcultural da versão portuguesa do Social Support Appraisals para o Brasil. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(1), 71-80. https://doi.org/0.1590/S0102-79722014000100009

Srinivas Goli, S., Siddiqui, M. Z., & Gouda, J. (2018). Road Traffic Accidents and Injuries in India. Economic & Political Weekly, 53(14), 52-60. https://www.epw.in/journal/2018/14/special-articles/road-traffic-accidents-and-injuries-india.html

Suriá, R. M. (2015). Profiles of resilience and quality of life in people with acquired disability due to traffic accidents. Gac Sanit, 29, 55-59. https://doi.org/10.1016/j.gaceta.2015.01.016

Tavernier, B.-C., Paire-Ficout, L., Charnay, P., Tardy, H., Izaute, M., Silvert, L., & Hours, M. (2017). Emotional experiences one year after a traffic accident: An exploratory study of verbatim accounts of the ESPARR cohort. Injury, 48(3), 659-670. https://doi.org/10.1016/j.injury.2017.01.011

Twisk, D. A. M., Bos, N. M., & Weijermars, W. A. M. (2017). Road injuries, health burden, but not fatalities make 12- to 17-year olds a high risk group in the Netherlands. Eur J Public Health, 27(6), 981-984. https://doi.org/10.1093/eurpub/ckx045

Üzümcüoğlu, Y., Özkan, T., Lajunen, T., Morandi, A., Orsi, C., Papadakaki, M., & Chliaoutakis, J. (2016). Life quality and rehabilitation after a road traffic crash: A literature review. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 40, 1-13. https://doi.org/10.1016/j.trf.2016.02.002

Walsh, F. (1996). Family resilience: A concept and its application. Family process, 35(3), 261-282.

Walsh, F. (2005a). Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo, Brazil: Editora Roca.

Walsh, F. (2005b). Resiliencia familiar: un marco de trabajo para la práctica clínica. Sistemas familiares, 21(1-2), 76-97.

Walsh, F. (2016). Applying a family resilience framework in training, practice, and research: Mastering the art of the possible. Family process, 55(4), 616-632. https://doi.org/10.1111/famp.12260

Wang, Y. W., H.: Wang, J.: Wu, J.: Liu, X. (2013). Prevalence and predictors of posttraumatic growth in accidentally injured patients. J Clin Psychol Med Settings, 20(1), 3-12. https://doi.org/10.1007/s10880-012-9315-2

Whittemore, R., & Knafl, K. (2005). The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, 52(5), 546-553.https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

World Health Organization, W. (2018). Global status report on road safety 2018: Summary. Retrieved from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/277370/WHO-NMH-NVI-18.20-eng.pdf

Wu, H. C. (2011). The protective effects of resilience and hope on quality of life of the families coping with the criminal traumatisation of one of its members Journal of Clinical Nursing, 20(13‐14), 1906-1915. https://doi.org/10.1111/j.1365-2702.2010.03664.x.

Wu, K. K., Leung, P. W. L., Cho, V. W., & Law, L. S. C. (2016). Posttraumatic growth after motor vehicle crashes. Journal of Clinical Psychology in Medical Settings, 23(2), 181-191. https://doi.org/10.1007/s10880-016-9456-9

Yunes, M. A. M. (2003). Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, 8, 75-84. https://doi.org/10.1590/S1413-73722003000300010

Yunes, M. A. M. (2015). Dimensões conceituais da resiliência e suas interfaces com risco e proteção. In S. G. Murta, C. Leandro-França, K. Brito, & L. Polejack (Eds.), Prevenção e promoção em saúde mental: Fundamentos, planejamento e estratégias de intervenção (pp. 93-112). Novo Hamburgo, Brazil: Synopisis.

Yunes, M. A. M., Garcia, N. M., & Albuquerque, B. d. M. (2007). Monoparentalidade, pobreza e resiliência: entre as crenças dos profissionais e as possibilidades da convivência familiar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20, 444-453. https://doi.org/10.1590/S0102-79722007000300012

Yunes, M. A. M., Mendes, N. F., & Albuquerque, B. d. M. (2005). Percepções e crenças de agentes comunitários de saúde sobre resiliência em famílias monoparentais pobres. Texto & Contexto - Enfermagem, 14, 24-31. https://doi.org/10.1590/S0104-07072005000500003

Yunes, M. A. M., Pietro, A., Silveira, S., Juliano, M. C. C., & Garcia, N. (2015). Um educador para proteger do risco e tricotar a resiliência: O profissional da educação como agente de proteção e de promoção de resiliência. In S. Cabral & B. Cyrulnik (Eds.), Resiliência: Como tirar leite de pedra (pp. 155-170). Editora Casa do Psicologo.

Yunes, M. A. M., & Szymanski, H. (2003). Crenças, sentimentos e percepções acerca da noção de resiliência em profissionais da saúde e da educação que atuam com famílias pobres. Psicologia da Educação, 17(2), 119-137.

Zanelato, L. S. (2008). Manejo de stress, coping e resiliência em motoristas de ônibus urbano. Dissertação, Universidade Estadual Paulista. Retrieved from https://repositorio.unesp.br/handle/11449/97479

Publicado

2021-07-05

Cómo citar

Andrade , E. G. S. D. A., Yunes, M. A. M., & Fernandes Martins, L. (2021). Resiliencia individual y familiar y el papel de las redes de apoyo a víctimas de accidentes de tránsito: una revisión integradora. Ciencias Psicológicas, 15(2), e-2111. https://doi.org/10.22235/cp.v15i2.2111

Número

Sección

ARTÍCULOS ORIGINALES