El cuerpo como componente de las formas de participación de los niños en la educación infantil

Resumen

El estudio, una investigación etnográfica con niños, con el objetivo de conocer sus formas de participación en la educación infantil identificó la forma intensa y pulsante con que su cuerpo participa en sus contextos educativos expresando sus puntos de vista. A partir de la empiria y las bases teóricas (Ferreira, 2009, 2013; Fingerson, 2009; Gil, 1997; Le Breton, 2009) vimos que el cuerpo de los niños está en la base de toda su experiencia social, mediador de las relaciones, de las prácticas, discursos, de las apropiaciones del Otro y del mundo. Tal idea necesita ser considerada en las prácticas pedagógicas para que respetemos el cuerpo del niño ávido por descubrir y descubrir en su relación noble y embrionaria con el mundo.

Citas

Agostinho, K. A. (2010). Formas de Participação das Crianças na Educação Infantil (Tese de doutoramento). Universidade do Minho, Portugal. Disponível em https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/11195/1/Tese.pdf

Arenhart, D. (2012). Entre a favela e o castelo: efeitos de geração e classe social em culturas infantis (Tese de Doutorado). Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Benjamin, W. (1992). Rua de sentido único e Infância em Berlim por volta de 1900. Lisboa, Portugal: Relógio D’água Editores.

Buss-Simão, M. (2012). Relações sociais em um contexto de educação infantil: um olhar sobre a dimensão corporal na perspectiva de crianças pequenas (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Cohn, C. (2005). Antropologia da Criança. Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar.

Coutinho, Â. M. S. (2010). A ação social dos bebês: um estudo etnográfico no contexto da Creche (Tese de Doutoramento). Universidade do Minho, Portugal.

Ferreira, V. (2009, novembro). Elogio (sociológico) à carne: A partir da reedição do texto ‘as técnicas do corpo’ de Marcel Mauss. Conferência no lançamento da Colecção Arte e Sociedade. Universidade do Porto, Portugal.

Ferreira, V. (2013). Resgates sociológicos do corpo: Esboço de um percurso conceptual. Revista Análise Social, 48(208), 494-528.

Fingerson, L. (2009). Children’s Bodies. En J. Qvortrup, W.A. Corsaro & M. Honig (Ed.), The Palgrave Handbook of Childhood (pp. 217-227). Hampshire: Palgrave Macmillan.

Gil, J. (1997). Metamorfoses do corpo. Lisboa, Portugal: Relógio D’Água.

Guimarães, D. O. (2008). Relações entre adultos e crianças no berçário de uma creche pública na cidade do Rio de Janeiro: técnicas corporais, responsividade, cuidado (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

James, A., Jenks, C., e Prout, A. (1999). O corpo e a infância. Em W. Kohan, & D. Kennedy, Filosofia e Infância: Possibilidades de um encontro (pp. 207-238). Petrópolis, Brasil: Vozes.

Le Breton, D. (2004). Sinais de indentidade. Tatuagens, piercings e outras marcas corporais. T. Frazão (Trad.). Lisboa, Portugal: Misótis.

Le Breton, D. (2009). Paixões ordinárias. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Mayall, B. (1996). Children, health and the social order. Bristol, Inglaterra: Open University Press.

Pais, J. M. (2006). Nos Rastos da Solidão. Deambulações Sociológicas. Enciclopédia Moderna Sociologia. Porto, Portugal: Ambar.

Qvortrup, J. (2010). Infância e política. Cadernos de Pesquisa, 40(141), 777-792.

Rosemberg, F. (2012). A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In M. A. Silva Bento (Org.), Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais (pp. 11-46). São Paulo, Brasil: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades/CEERT.

Sayão, D. (2008). Cabeças e corpos, adultos e crianças: cadê o movimento e quem separou tudo isso?. Revista Eletrônica de Educação, 2(2), 92-105.

Young, I. (1997). Intersecting voices: dilemas of gender, political philosophy, and policy. Princeton, NJ: Princeton University Press.
Publicado
2019-02-26