Usuarios de alcohol y otras drogas en la Red de Atención Psicosocial: Atención de Enfermería

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.22235/ech.v10i2.2546

Palabras clave:

servicios de salud mental, cuidados de la salud, acceso a servicios de salud, recepción, enfermería

Resumen

Objetivo: Analizar la producción de cuidados del equipo de enfermería para usuarios de alcohol y drogas en la Red de Atención Psicosocial. Método: Estudio exploratorio y descriptivo con enfoque cualitativo, desarrollado con 11 profesionales del equipo de enfermería que trabajan en tres servicios de salud de la Red, ubicados en una ciudad del interior de Bahía, Brasil. Los datos fueron recolectados entre diciembre de 2017 y febrero de 2018 mediante entrevista semiestructurada. Resultados: Los resultados apuntan al acceso de los usuarios a la Red a través de reenvío y referencia; las actividades de acogida han sido desarrolladas únicamente por los Centros de Atención Psicosocial y se ha demostrado que el vínculo es frágil. Conclusión: Se concluye que el cuidado de enfermería en la Red se ha desarrollado de manera fragmentada y puntual, por lo que dispositivos como el acceso, la recepción y el vínculo deben trabajarse con todo el equipo de salud a favor de la atención integral.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Priscilla Mecia Conceição de Brito, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira, Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Professora Substituta no Colegiado de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia - UNEB/Campus VII, Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

Manuela Bastos Alves, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira, Doutoranda em Enfermagem e Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Auxiliar no Colegiado de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia - UNEB/Campus VII, Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.  

Verônica Mascarenhas Oliveira, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira, Mestre em Enfermagem e Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Auxiliar no Colegiado de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia - UNEB/Campus VII, Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

Maria do Perpetuo Socorro de Sousa Nóbrega, Universidade de São Paulo

Enfermeira, Pós-doutorado na área de Adições pelo Centre for Addiction and Mental Health (CAMH) – Canadá. Docente do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo USP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Simone Conceição Oliveira Baptista, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira, Mestranda no Programa de Pós-graduação em Enfermagem e Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Bolsista CAPES, Salvador, Bahia, Brasil.

Rudval Souza da Silva, Universidade do Estado da Bahia UNEB

Graduado em Enfermagem pela Universidade Católica do Salvador - UCSal (2008), licenciado em História pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB/Campus IV (2003), mestrado (2010) e doutorado (2014) em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da UFBA, Doutorado Sanduíche na Escola Superior de Enfermagem do Porto - Portugal (2013). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade do Estado da Bahia UNEB/Campus VII. Professor Permanente do Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Saúde (EEUFBA) e do Mestrado Profissional em Saúde Coletiva (UNEB). 

Citas

Brasil. Ministério da Saúde. A Política para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

Bastos FI, Vasconcellos MT, Boni RB, Reis NB, Coutinho CF. (Org). III Levantamento Nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira. Rio de Janeiro: Fiocruz/Icict; 2017. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34614

Souza MC, Afonso ML. Saberes e práticas de enfermeiros na saúde mental: desafios diante da reforma psiquiátrica. Rev. Interinst. Psicol. 2015;8(2):332-347. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v8n2/v8n2a04.pdf

Ortiz SE, Domingues EA, Prado KL, Barbosa PL. Prática de enfermagem o centro de atenção psicossocial. Rev. Bras. Enferm. 2020;73(1). Disponível em: DOI: 10.1590/0034-7167-2018-0175

Portaria nº 3.088 de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html.

Fernandes HN, Eslabão AD, Mauch LM, Franchini B, Coimbra VC. A práxis do cuidado em saúde mental na atenção ao uso e abuso de álcool. Cienc cuid. saúde. 2012;11(4):827-831. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v11i4.15407

Sousa FD, Sousa AL. Uma revisão sobre as redes de atenção à saúde no Brasil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 2018;1(11):57-75. DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/saude-no-brasil

Terezinha ZM, Fontoura CM. Bradt, FM. Ziegler HM, Godinho, BK. Percepção dos trabalhadores de saúde sobre o cuidado as pessoas com crise a rede de atenção psicossocial. Esc. Ana Nery. 2016;20(3):e20160059. DOI: 10.5935/1414-8145.20160059

Varela DS, Sales IM, Dantas FM, Monteiro CF. Rede de saúde no atendimento ao usuário de álcool, crack e outras drogas. Esc Ana Nery. 2016;20(2):296-302. DOI: 10.5935/1414-8145.20160040

Franco TE, Merhy EE. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013.

Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2014.

Minayo, MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32- item checklist for interviews and focus group. Int J Qual Heal Care. 2007;19(6):349–57. Disponível em: https://academic.oup.com/intqhc/article/19/6/349/1791966

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

Amorim RG, Lavrador MCC. A Perspectiva da Produção de Cuidado pelos Trabalhadores de Saúde Mental. Psicologia Ciência e Profissão. 2017;37(2):273-288. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pcp/v37n2/1982-3703-pcp-37-2-0273.pdf

Subrinho LQ, Sena EL, Santos VT, Carvalho PA. Cuidado ao consumidor de drogas: percepção de enfermeiros da estratégia de saúde da família. Saúde Soc. 2018;27(3):834-844. DOI: 10.1590/s0104-12902018180079

Decreto nº 7.508 de 28/2011. Dispõe sobre a organização do Sistema Único de Saúde, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação Inter federativa e dá outras providências [Internet] Diário Oficial da União. Brasília; 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm

Souza AC, Amarante PD, Abrahão AL. Inclusão da saúde mental na atenção básica à saúde: estratégia de cuidado no território. Rev Bras Enferm. 2019;72(6):1677-1683. DOI: 10.1590/0034-7167-2018-0806

Narváez NEB, Rivero MO, Guerra EH. Social determinants in the consumption of psychoactive substances in university students in 2016. Enfermería (Montevideo). 2018;7(2):12-35. Disponível em: http://www.scielo.edu.uy/pdf/ech/v7n2/en_2393-6606-ech-7-02-12.pdf

Agonigi RC, Carvalho SM, Freire MAM, Gonçalves LF. The production of care in the routine of Family Health Teams. Rev. Bras. Enferm. 2018;71(Suppl 6):2659-2665. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v71s6/0034-7167-reben-71-s6-2659.pdf

Pereira MO, Anginoni BM, Ferreira NC, Oliveira MAF, Vargas D, Colvero LA. Efetividade da intervenção breve para o uso abusivo de álcool na atenção primária: revisão sistemática. Rev. Bras. Enferm. 2013; 66(3):420-428. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v66n3/a18v66n3.pdf

Abreu AMM, Jomar RT, Taets GGC, Souza MHN, Fernandes DB. Screening and Brief Intervention for the use of alcohol and other drugs. Rev. Bras. Enferm. 2018;71(Suppl 5):2258-2263. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v71s5/0034-7167-reben-71-s5-2258.pdf

Amorim AC, Assis MM, Santos AM. Vínculo e responsabilização como dispositivos para produção do cuidado na estratégia de saúde da família. Rev. baiana saúde pública. 2014;38(3):539-554. DOI: 10.5327/Z0100-0233-2014380300004

Junqueira AM, Carniel IC, Montovani A. As assembleias como possibilidade de cuidado em saúde mental em um CAPS. Rev. Nesme 2015;12(1):31-40. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/vinculo/v12n1/v12n1a06.pdf

Ferreira TP, Sampaio J, Souza AC, Oliveira DL, Gomes LB. Produção do cuidado em Saúde Mental: desafios para além dos muros institucionais. Interface. 2017;21(61):373-84. DOI: 10.1590/1807-57622016.0139.

Silva SS, Assis MM, Santos AM. Enfermeira como protagonista do gerenciamento do cuidado na estratégia saúde da família: diferentes olhares analisadores. Texto Contexto Enferm. 2017;26(3):e1090016. DOI: 10.1590/0104-07072017001090016.

Silva AI, Loccioni MF, Orlandini RF, Rodrigues J, Peres GM, Maftum MA. Projeto Terapêutico Singular para profissionais da estratégia de saúde da família. Cogitare Enferm. 2016;21(3):01-08. DOI: 10.5380/ce.v21i3.45437

Savic M, Best D, Manning V, Lubman DI. Strategies to facilitate integrated care for people with alcohol and other drug problems: a systematic review. Subst Abuse Treat Prev Policy. 2017;12(19):1-12. DOI: 10.1186/s13011-017-0104-7

Publicado

2021-11-18

Cómo citar

de Brito, P. M. C., Alves, M. B., Oliveira, V. M., Nóbrega, M. do P. S. de S., Baptista, S. C. O., & da Silva, R. S. (2021). Usuarios de alcohol y otras drogas en la Red de Atención Psicosocial: Atención de Enfermería. Enfermería: Cuidados Humanizados, 10(2), 175-190. https://doi.org/10.22235/ech.v10i2.2546