Violência obstétrica: manifestações postadas em grupos virtuais no Facebook

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.22235/ech.v9i1.2145

Palabras clave:

violência, violência contra a mulher, serviços de saúde materno-infantil, rede social, pessoal de saúde

Resumen

O presente estudo teve por objetivo analisar as manifestações acerca da violência obstétrica postadas em grupos virtuais do Facebook. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva; realizada em grupos públicos hospedados na rede social virtual Facebook que abordam a temática de violência obstétrica. A coleta de dados foi realizada no mês de setembro de 2018. O material para análise foi composto por 44 postagens publicadas no ano de 2017, submetidos a proposta operativa de Minayo. No que se refere especificamente a tipologia das postagens, constatou-se que a mesma é diversificada, constituindo-se principalmente pela divulgação de notícias, de histórias e vivências pessoais, e pela publicação de citações de frases de efeito. Como lacuna na assistência à mulher no período gravídico-puerperal que culminam em violência obstétrica, as postagens selecionadas para esse estudo evidenciaram a negação de seus direitos e as ações praticadas pelos profissionais de saúde que cunham negligência, imperícia e imprudência. As postagens mostram que, mesmo com a política de humanização do parto e nascimento, ainda hoje as práticas que buscam garantir o protagonismo da mulher e seus direitos no período gravídico-puerperal possuem pouco reconhecimento no âmbito social, refletindo na prática assistencial violenta.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

1. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [Internet]. Ministério da Saúde, 2017[acesso em 2019 fev 22]: 1-53. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf.
2. Zarnaldo GLP, Uribe MC, Nadal AHR, Habigzang LF. Violência Obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Revista Psicologia e Sociedade [Internet], 2017 [acesso em 2018 set 18], (29): e155043. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e155043.pdf
3. Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Pereira MN et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto em brasileiras de risco habitual. Caderno Saúde Pública [Internet], 2014 [acesso em 2018 set 18], 30 (Sup):17-47. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300005&lng=pt&tlng=pt
4. Organização das Nações Unidas. Nações Unidas no Brasil. Documentos temáticos sobre os ODS. Igualdade de gênero: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas [Internet]. Nações Unidas no Brasil, 2017[acesso em 2019 out 15]: 1-18 p. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2017/06/Documento-Tem%C3%A1tico-ODS-5-Igualdade-de-Genero-editorado_11junho2017.pdf
5. Santos RCS, Souza NF. Violência institucional obstétrica no Brasil: revisão sistemática. Estação Científica [Internert], 2015 [acesso em 2018 set 18], 5 (1): 57-68 Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/estacao/article/view/1592/rafaelv5n1.pdf
6. Mamun MA, Ibrahim HM., Turin TC. Social media in communicating health information: an analysis of facebook groups related to hypertension. Preventing Chronic Disease [Internet], Atlanta, 2015 [cited 2018 set 18]; 29 (12): 1-10.
7. Gonçalves AO. Da internet às ruas: a marcha do parto em casa [dissertação]. Curitiba (PR): Universidade Federal do Paraná; 2014 [acesso em 2018 nov 14]. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/43335/R%20-%20D%20-%20ALINE%20DE%20OLIVEIRA%20GONCALVES.pdf?sequence=1&isAllowed=y
8. Assunção ABM, Jorge TM. As mídias sociais como tecnologias de si. Revista Esferas; 2014; 3 (5): 151-160.
9. Patrício MR, Gonçalves V. Facebook: rede social educativa? In: Encontro Internacional TIC e Educação, 1. Lisboa, 2010 [acesso em 2018 set 18]. Anais. Lisboa: Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2010. 593-598. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/handle/10198/3584
10. Bobsin D, Hoppen N. Estruturação de redes sociais virtuais em organizações: um estudo de caso. Revista de Administração [Internet], 2014 [acesso em 2018 nov 14], 49 (2): 339- 352. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rausp/v49n2/10.pdf
11. Paschoal LC. Papéis sociointeracionais em grupos de redes sociais na internet. Revista Intercâmbio [Internet], 2014 [acesso em 2018 set 18], 29: 19-39. São Paulo: LAEL/PUCSP. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/viewFile/20958/15430.
12. Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 10ª ed. São Paulo: HUCITEC, 2012.
13. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [Internet]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.
14. Luz LH, Gigo VV. Violência obstétrica: ativismo nas redes sociais. Cad. Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos, 2015 23 (3): 475-484.
15. Sena LM, Tesser CD. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface comunicação Saúde e Educação [Internet], 2017 [acesso em 2018 set 18], 21 (30): 209-220. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832017000100209&script=sci_abstract&tlng=pt.
16. Schwether ND, Pagliari GC. Políticas de gênero para a Defesa: os casos de Argentina e Brasil. Revista de Sociologia e Política [Internet], 2018 [acesso em 2018 set 18], 26 (65): 1-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v26n65/0104-4478-rsocp-26-65-0001.pdf.
17. Venturi G, Godinho T. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, Edições SESC SP, 2013, 504.
18. Brasil. Lei Nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Lei do Acompanhante [Internet]. Brasília, DF, 2005 [acesso em 2018 set 18]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm.
19. Biscegli TS, Grio JM, Melles LC, Ribeiro SRMI, Gonsaga RAT. Violência obstétrica: perfil assistencial de uma maternidade escola do interior do estado de São Paulo. Revista CuidArte Enfermagem [Internet], 2015 [acesso em 2018 ago 08], 9(1):18-25. Disponível em: http://fundacaopadrealbino.org.br/facfipa/ner/pdf/Revistacuidarteenfermagem%20v.%209%20n.1%20%20jan.%20jun%202015.pdf.
20. Carvalho IS, Brito RS. Formas de violência obstétrica vivenciadas por puérperas que tiveram parto normal. Revista Electrónica trimestral de Enfermaría [Internet], 2017 [acesso em 2018 nov 12], 47(16):71-9 Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v16n47/pt_1695-6141-eg-16-47-00071.pdf.
21. Kongo CY, Silveira KM, Niv DY, Silva DRA, Buzatto GBM, Salgado HO. Violência obstétrica é violência contra a mulher: mulheres em luta pela abolição da violência obstétrica. 1.ed. São Paulo: Parto do Princípio; Espirito Santo: Fórum de Mulheres do Espírito Santo, 2014.
22. Barbosa LC, Fabbro MRC, Machado GPR. Violência obstétrica: revisão integrativa de pesquisas qualitativas. Avances em Enfermería [Internet], 2017 [acesso em 2018 set 18], 35 (2): 109-202. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0121-45002017000200190.
23. Pontes MGA, Lima GMB, Feitosa I.P, Trigueiro JVS. Parto nosso de cada dia: um olhar sobre as transformações e perspectivas da assistência. Revista Ciência da Saúde Nova Esperança [Internet], 2014 [acesso em 2018 set 18], 12(1): 69-78. Disponível em: http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/Parto-nosso-de-cada-dia.pdf

Publicado

2020-04-27

Cómo citar

Moré Pauletti, J. ., Portella Ribeiro, J. ., & Corrêa Soares, M. (2020). Violência obstétrica: manifestações postadas em grupos virtuais no Facebook. Enfermería: Cuidados Humanizados, 9(1), 3-20. https://doi.org/10.22235/ech.v9i1.2145

Número

Sección

Artículos Originales